terça-feira, maio 24, 2011

Versos Banais

Me pego com um sorriso bobo
Pensando em você
No meio da madrugada
Te escrevendo versos
E esperando amanhecer.


Versos baratos, de cartão
Daqueles que a gente encontra em loja de presente
E tocam até uma musiquinha.


Versos baratos, que saem do meu mais profundo eu
Que não consegue dormir
E apenas queria ouvir 
Sua voz a dizer "boa noite".


Versos do meu eu
Que não me são mais incríveis
São banais como quaisquer outros versos de amor.


Banais como a chuva
Porém, lembre-se
Há sempre quem se admira com as pequenas gotículas
Que caem do céu.


Banais, mas nem por isso deixam de ser belos
Ou deixam de declarar
O meu amor por você.


Um amor que não deixou aquietar-me e adormecer-me
A pobre alma desse ser
Sem antes dedicar-lhe tais versos banais.


(Misunderstood)


•Ouvindo Agora: Total Eclipse Of The Heart - Bonnie Tyler

5 comentários:

Blog UaiMeu! disse...

Versos... lindos!
Gostei muito do seu poema. Tem sentimento!
Vim aqui te prestigiar passa lá no nosso!
Abraços
http://uaimeu10.blogspot.com/

Francorebel disse...

Versos (a)banais.

Sacou?

Mônica Costa disse...

Olá moça!

Te indiquei no meu blog em um desafio literário. Caso estejas interessada dá uma passada por lá! Está intitulado Momento do escritor.

http://sobreumascores.blogspot.com/2011/05/momento-do-escritor.html

Iany disse...

versos perfeitos
adorei tanto que irei seguir kk só para ver os próximos

Sandro Mangueirense disse...

Primeiro, obrigado pela visita. Não sei o que está havendo com a fonte do meu blog, pq eu acesso (mesmo usando outro perfil, que não é vinculado a ele) e pra mim abre normalmente.

E seu poema é de uma singeleza tocante. É como se você tivesse deixar um pensamento, sem a menor intenção de torná-lo público. Apenas um simples pensamento, "banal".

Abração!

http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

Postar um comentário